Post 602 – Perguntem ao Tio Chico nº 184 – Tio Chico contra-argumenta com educação, respeito, conhecimento e base histórica a apresentação da nova tese sobre um novo tipo canino denominado OFB, a qual foi disponibilizada publicamente na web.

Perguntem ao Tio Chico nº 184

Tio Chico contra-argumenta com educação, respeito, conhecimento e

base histórica a apresentação da nova tese sobre um novo tipo canino

denominado OFB, a qual foi disponibilizada publicamente na web. 

1 - Cartaz Ingles sobre FP

Queridos amigos e amigas do Fila Brasileiro (FB) e do CAFIB, continuando com nossas conversas…

Pergunta nº 461 Tio Chico, gostei muito dos seus últimos 4 artigos mostrando cabalmente com argumentos sólidos as incongruências existentes na mais nova tese que pretende reinventar e re-fabricar o tradicional e original Fila Brasileiro que habita nosso país há tantos anos. Isto mesmo, a raça nacional que foi há mais de 40 anos resgatada da extinção pelo CAFIB, tendo em vista a prática da mestiçagem praticada por criadores inescrupulosos que falsificavam pedigrees e que contavam com a conivência institucional e sistêmica do BKC, CBKC e FCI, ocorrida a partir da década de 1970 e vem sendo preservado em sua pureza racial até hoje com total sucesso pelos fundadores, diretores, juízes e criadores  CAFIB.

Sendo assim, pediria que voce comentasse não só esta nova apresentação desta nova tese do OFB que foi disponibilizada publicamente na web via o link https://pt.wikipedia.org/wiki/Original_fila_brasileiro , assim como comentasse a total falta de argumentos dos defensores do OFB que em vez de discordar de voce com argumentos, apenas tentam te atacar pessoalmente via postagens em Facebook, o que, convenhamos, não tem o menor sentido e foi usado sem sucesso por alguns membros da falecida Anfibra. Pena que estas pessoas não aceitem a diversidade de opiniões, o contraditório e não sabem debater com fatos, argumentos, documentos, educação e respeito. Muito grato.

Resposta do Tio Chico: Sinto muito que decorridos 40 anos do resgate do FB da extinção pelo CAFIB, ainda se perca tempo tentando criar novas teses sem comprovações básicas e elementares, muito menos práticas, baseadas no achismo sobre o conhecidíssimo, tradicional, clássico, popular, famoso, antigo, original e único Cão de Fila Brasileiro.

Sinto muito que depois de tantos anos o FB, que encontra-se claramente dividido entre dois tipos distintos, isto é, o Fila PURO do CAFIB, que trata-se de uma raça com fenótipo, temperamento e caráter homogêneo típico e fixado e o Fila-CBKC-FCI que, ao contrário, caracteriza-se por total heterogeneidade de fenótipos, onde convivem conjuntamente sob o guarda-chuva do CBKC-FCI e seu Padrão 225, diversos tipos diferentes de cachorros com pedigree de FB.  Mesmo reconhecendo a existência de Filas Típicos nestes dois clube (vejam em https://filabrasileirochicopeltierblog.wordpress.com/2013/11/25/post-no-142-tio-chico-informa-no-54-fotos-de-56-filas-tipicos-do-cbkc-data-221113/  e em https://filabrasileirochicopeltierblog.wordpress.com/2015/02/06/post-no-242-tio-chico-informa-no-88-fotos-de-mais-25-filas-tipicos-do-sistema-cbkc-fci-enviado-em-40215/ ). Sinto muito também que após o fim da Anfibra que apenas tentava copiava o CAFIB, da inoperância e do limbo onde permanece a SPFB e da ausência há anos da Unifila, se tente criar mais uma nova divisão nesta raça brasileira.

Inicialmente comento que sou obrigado a concordar infelizmente com voce: como alguns dos defensores da nova tese do OFB não tem argumentos só lhes resta atacar minha pessoa,

já que não conseguem discordar dos meus argumentos, nem apresentarem comprovações contrárias ao meu pensamento. Assim usam as mesmas desculpas, ataques e xingamentos a minha pessoa que foram proferidos sem sucesso por alguns membros da antiga Anfibra:

A – Tio Chico não recebe e inventa perguntas: estes difamadores sem argumentos técnicos e históricos desconhecem que há décadas esta é uma maneira útil, saudável e comum de se fazer jornalismo e difundir cultura e conhecimento preservando o anonimato do interlocutor e da fonte. O fato é que a maioria dos criadores de FB que me enviam comentários e perguntas não gostam de expor seus nomes, pois tem receio de passarem a ser xingados, caluniados e ofendidos sem argumentos por aqueles que pensam diferentemente deles. Mas se esquecem de que recentemente Marcelo Zuliani teve a coragem de assinar emails que me enviou com perguntas sobre o OFB e me autorizou expressamente a divulgar seu nome. Isto é, ao contrário da grande maioria que também discorda da invenção do OFB, mas não está disposta a ser ofendido gratuitamente nos Facebooks por pessoas sem educação, conhecimento e que, geralmente, são analfabetos funcionais;

B – Tio Chico não cria FB há muitos anos: se fosse assim, João Saldanha, que nunca foi jogador de futebol, não seria um dos maiores responsáveis pela conquista do Tricampeonato Mundial de Futebol no México em 1970; Nelson Motta, que nunca foi músico e político, não seria um dos maiores críticos das artes e mais recentemente da política nacional; Ruy Castro, que nunca foi musico, escritor de teatro, jogador de futebol, cantor e urbanista não teria escritos obras magistrais respectivamente sobre a Bossa Nova, Nelson Rodrigues, Garrincha, Carmen Miranda, Ipanema e tantos outros clássicos da literatura brasileira e nosso querido Paulo Godinho, que jamais criou um simples cão e muito menos um FB,  não teria publicado mais de 5 mil artigos sobre cinofilia; nem escrito seu magistral livro “Fila Brasileiro: um Presente das Estrelas” ( vide em  HTTP://blogdopaulogodinho.blogspot.com ou pelo email paulogodinho@ique.com.br );

Logo, não perderei meu tempo nesta total falta de argumentação tola e infantil, característica dos analfabetos funcionais que, sem argumentos, pensam que atacando minha pessoa e covardemente fugindo do debate sério, tentam sem sucesso tirar e fugir do foco da questão que é o novo OFB, não me contra argumentando com fatos, provas, documentos e inteligência. Só enganam mesmo os tolos com estes artifícios de marqueteiros baratos preferindo fugir do debate de idéias. Por isto, que estes caluniadores, difamadores e detratores sem argumentos, recebam mais um Selo da Tolice do Tio Chico:

5 - AErrar e Humano...

Sendo assim, passo a comentar com educação, respeito, fatos, conhecimento e argumentação o que foi postado publicamente na web sobre o OFB em https://pt.wikipedia.org/wiki/Original_fila_brasileiro:

Nota inicial principalmente para os analfabetos funcionais: a parte do texto abaixo que se encontra em azul, itálico, negrito, na fonte Comic Sans MS e entre aspas encontra-se postado pelos defensores da nova tese do OFB no link acima mencionado.

  1. Se os defensores da tese do OFB afirmam que este cachorro trata-se de  uma “…raça…” e que é “...composta pelos últimos exemplares de antigos cães de fila ainda preservados em fazendas do interior do Brasil…”, pergunto:

1.1. Como estes defensores comprovam se tratar de fato de uma “…raça…”, isto é, de um grupo de cães com um tipo há anos devidamente definido e fixado ?

1.2. Como comprovam a existências destes cães de fato em “…fazendas no interior do Brasil…” e, principalmente,  que estes exemplares jamais foram cruzados com cães de outras raças ou até mesmo com vira-latas, tendo assim sua genética e pureza racial alterada e, portanto, miscigenada ?

1.3. Por que não apresentam com a devida transparência o nome e fotos destes cães, informando o nome e local das fazendas e dos seus criadores-fazendeiros onde estes cães foram encontrados, provando assim que não se tratam de Filas-CAFIB e de Filas e “filas” do CBKC-FCI  ?

1.4.  Por que não apresentam fotos destes cães com seus dados, descrição de seus fenótipos e sumulas de avaliação, além de seus registros na SOBRACI ? Afinal como resgatar ou manter um tipo canino determinado sem um controle genealógico rígido, sério, confiável e disponível com transparência para os interessados ?

1.5. E, mais importante, se é verdade ou não que os defensores da tese do novo OFB também cruzam estes tais cães para eles existentes em “…fazendas no interior do Brasil…” com Filas Brasileiro criados e registrados no CAFIB e até com Filas do CBKC-FCI que possuam boa tipicidade, e cujos fenótipos seriam aprovados numa AFT (Análise de Fenótipo e Temperamento) do CAFIB ?

  1. Os defensores da tese do OFB informam que este novo tipo canino “…é registrado pela SOBRACI...”. Sendo assim, pergunto:

2.1. A SOBRACI tambem registra o tradicional e Verdadeiro Fila Brasileiro ? Seja do CAFIB ou até mesmo o Fila Tipico existenbte no CBKC-FCI ?

2.2. Se positivo, como este Cartório de cães diferencia estes três tipos de FB ?

  1. Os defensores da tese do OFB recorrem e se apegam ao livro do mineiro Procópio do Valle intitulado  “O Grande Livro do Fila Brasileiro”, mas se furtam em informar que:

3.1. Neste livro com 371 páginas em nenhuma de suas linhas Procópio do Valle teve a coragem de defender e expor a sua “brilhante”… tese em defesa da existência do chamado “fila-preto”. Isto é, não teve coragem de expor o seu “maravilhoso trabalho genético”…, perdendo assim “magnífica oportunidade”…, (???!!!)  de comprovar o resgate realizado por ele da coloração negra no FB… Realmente inacreditável…!!!

3.2. Mais importante: Procópio do Valle, conhecido como o “Pai do fila-preto”, defendia tese totalmente oposta a apresentada pelos defensores da tese do OFB quando afirmam neste link sobre o cão denominado Alão Português ou outros oriundos da Península Ibérica e que este talvez, quem sabe, todavia, contudo, poderia ter sido “…um provável ancestral dos cães fila do Brasil…”.

3.3. Explico: em artigo assinado pelo próprio mineiro Procópio do Valle na revista Animais & Veterinária nº 35, datada de Dez-1978, (vejam no link  http://www.filabrasileirochicopeltier.com.br/8-Documentos-de-1978/8_32/doc_1.jpg o autor defende claramente a tese de que o FB não descende de cães trazidos por portugueses, espanhóis, ingleses ou franceses para o Brasil, mas sim por holandeses, na época da invasão capitaneada pelo conquistador holandês Maurício de Nassau em Pernambuco no ano de 1637. Este cão que segundo o mineiro Procópio do Vale teria dado origem ao FB seria o Dogue de Forte Race. Mas esta tese que pretendeu apenas validar a cor negra no FB, assim como a tese do Fila Terceirense, inventada por João Batista Gomes que pretendia apenas justificar a introdução do sangue de Mastiff Inglês na criação do FB na década de 70, não se sustentaram. Derreteram!!! Vejam e leiam em  http://www.filabrasileirochicopeltier.com.br/fila-brasileiro-3.html  e abaixo no nº 42 do jornal O FILA do CAFIB datado de Jun-1983 num artigo assinado pelo próprio Dr. Paulos Santos Cruz:

1 - a - 3 - a grande confissão...

Nota: mas, por favor, não tenham preguiça de ler e estudar. Principalmente os defensores do OFB.

3.4. Da mesma forma que já comprovei a inexistência de cães trazidos pelos holandeses chefiados por Mauricio de Nassau que invadiu Pernambuco no ano de 1637, bastando para tanto ler e estudar em https://filabrasileirochicopeltierblog.wordpress.com/2014/11/15/post-no-227-tio-chico-informa-no-79-academico-e-estudioso-em-mauricio-de-nassau-enviado-em-151114/ conforme equivocadamente defendido por Procópio do Valle, informo aos defensores da tese do OFB que os cães portugueses denominados Rafeiro Alentejano, Cão da Serra da Estrela, Cão de Água Português,  Perdigueiro Português, Podengo Português, Cão da Serra de Aire, Cão de Castro Laboreiro, Barbado da Terceira, Cão de Gado Transmontano, Barrocal Algarvio e, principalmente, o Cão Fila de São Miguel, possuem todos cabeça pequena e triangular, além de corpo longilíneo e leve (vejam em https://www.youtube.com/watch?v=24lWlrX3JiY ).

  1. 5. Quanto aos cães espanhóis registro o Ratonero Bodeguero da Andaluzia e o Galgo Espanhol ambos com cabeças extremamente triangulares; o Cão d`Água Espanhol de cabeça também pequena e triangular, o Alano Espanhol que por ser considerado uma raça moderna, inadequa-se ao período da formação do FB, além de também possuir cabeça triangular. E, indo mais  além, o Mastim Espanhol, apesar de possuir uma cabeça também triangular, mas de maior tamanho e mais proporcional ao seu corpo pelo porte maior, seria o único cão ibérico que de longe, muito longe, lembraria — apenas no tocante ao seu forte corpo – o do FB. Mas também não há nenhum registro da chegada de cães espanhóis ao Brasil.

3.6. Entretanto, como comentado por mim em outras oportunidades, pesquisei centenas de vezes sobre cães oriundos da Península Ibérica e jamais encontrei um único registro sequer de que estes cães tenham sido trazidos pelos portugueses para o Brasil e, menos ainda, pelos espanhóis.

Logo, aguardo que os defensores do OFB comprovem o contrário do que aqui afirmo.

Estive pessoalmente no Palácio Nacional de Mafra, situada na cidade do mesmo nome, que possui uma das mais importantes bibliotecas portuguesas e de onde partiu a nobreza portuguesa junto com Dom João VI para se instalar no Brasil fugindo do julgo napoleônico. Lá pesquisei e também nada encontrei.

Sendo assim, espero que os defensores da tese do OFB não se furtem em informar a todos os fileiros no Brasil e no exterior em que dado e fato histórico comprovado se baseiam para afirmar que o Alão Português  ou qualquer outro cão oriundo da Península Ibérica tenha sido “…um provável (???) ancestral dos cães fila do Brasil”.

  1. Na foto abaixo, mesmo de má qualidade, postada no link em questão, apesar de carecer dos nomes dos cães, local e data, pergunto qual a diferença dos fenótipos nela apresentados destes cães se comparado ao Fila Puro do CAFIB e ao Fila Típico registrado no CBKC-FCI ?

1 - a - 4 foto p&b

5. Os defensores da tese do OFB alegam neste link que “…havia a necessidade de preservar o antigo cão que deu origem ao Fila brasileiro moderno”. Entretanto, até onde vai meu conhecimento, esta necessidade foi constatada por mim logo que tomei conhecimento da mestiçagem em 1974-76, isto é, há mais de 40 anos atrás, e iniciei minha solitária campanha de combatê-la mesmo antes da fundação do CAFIB e que culminou com o fato de eu ter sido capaz de convencer o Dr. Paulo Santos Cruz em 1976 a retornar à cinofilia e ao FB (vide em http://www.filabrasileirochicopeltier.com.br/4-Documentos-de-1975-e-1976/4-17.jpg) e pelos fundadores do CAFIB há pouco mais de 40 anos atrás. Estes fundadores e criadores que,  sem dúvida, foram os grandes responsáveis por terem resgatado na pratica o Verdadeiro Fila Brasileiro da mestiçagem e da extinção. Portanto entendo ser extremamente atrasado, extemporâneo e carente do devido nexo temporal esta conclusão chegada somente agora em 2018 pelos defensores da tese do OFB. Isto é, com mais 40 anos de atraso !!! Difícil de entender como estas pessoas esperaram mais de 4 décadas para realizar que, para eles, o Fila Brasileiro não é Fila Brasileiro, mas sim OFB !!!???

  1. Quanto a origem do FB informo que, até onde vai meu conhecimento, o CAFIB jamais externou opiniões, teses e hipóteses sobre a origem do FB. Pessoalmente entendo que está encontra-se perdida e permanecerá inatingível no Sul de Minas Gerais. Creio que nem mesmo os primeiros criadores de FB conhecidos, tais como José Gomes de Oliveira, Zezeca e Pedrinho do Engenho, ambos da Família Junqueira, jamais souberam a verdadeira origem do FB.

Sei apenas que o paulista João Batista Gomes, defensor do tipo Fila-Mastiff, que introduziu o sangue do Mastiff Inglês no FB, inventou para justificar sua mestiçagem a tese do Fila Terceirense (vide em http://www.filabrasileirochicopeltier.com.br/fotos/1843..jpg ), que Procópio do Vale, defensor do “fila-preto” inventou para justificar sua mestiçagem com o Dogue Alemão-preto / Dinamarquês-preto a tese do Dogue de Forte Race (vide em http://www.filabrasileirochicopeltier.com.br/fotos/1816.jpg) e agora, surge mais uma nova tese sem nenhum respaldo e comprovação técnica e histórica que tenta validar a teoria de um novo tipo canino autodenominado OFB. Pelo menos o paulista Ibrahim Haddad Hercheu, que introduziu no FB o sangue do Mastin Napolitano (preto), não inventou nenhuma tese a fim de justificar esta mestiçagem.  Ou seja: deu muito menos trabalho aos defensores do Verdadeiro Fila Brasileiro

7. Os defensores da tese do OFB alegam neste link que “…Filas como este (o abaixo e a esquerda) com boa parte do corpo branco com marcações de cores na cabeça provavelmente (???) têm algum ancestral com o Cão de gado transmontano...”. Então, pergunto aos meus leitores: vocês acham que estes dois cães cuja fotos seguem abaixo, sendo a foto da esquerda a de um OFB postada neste link e o da direita de um Cão de Gado Transmontano de fenótipo semelhante ? Ou a coloração do cão a esquerda lembra qualquer cão, de raça-pura ou não, vira-lata ou não, com predominância da cor branca ? Isto sem mencionar a cabeça triangular do Cão de Gado Transmontano !!! Vejam mais fotos deste cão português em https://www.google.com/search?biw=1455&bih=689&tbm=isch&sa=1&ei=9oYmXKHgGoa2wQSi96jACA&q=c%C3%A3o+de+gado+transmontano&oq=C%C3%A3o+de+gado+transmontano&gs_l=img.1.0.0j0i30l7j0i5i30j0i8i30.71084.71084..73007…0.0..0.102.102.0j1……1….1j2..gws-wiz-img.v0tkS9TEiWQ  e tirem suas próprias conclusões !!!

1 - a - 5 - ofb branco + trans

Meus leitores, vocês acreditam mesmo que o Cão de Gado Transmontano com esta cabeça triangular e leve acima e a direita encontra-se na origem da formação do Fila Brasileiro ?

  1. Logo, não havendo absolutamente nenhuma comprovação nem nenhum registro histórico da imigração para o Brasil de nenhum cão originário da Península Ibérica, e sendo TODOS os cães ibéricos possuidores de cabeças triangulares (*), discordo veementemente dos defensores da tese do OFB quando pretendem fazer acreditar “…que o cão de fila brasileiro é de origem puramente ibérica, em especial de origem portuguesa…” ;.
  2. Os defensores da tese do OFB ao acreditarem baseados APENAS “...em suas próprias experiências pessoais (???!!!) com a raça (FB)…” e que por isto chegaram  “…a conclusão de que havia a necessidade de preservar o antigo cão que deu origem ao Fila brasileiro moderno…” pois  “…o fila antigo, ou original, vem chegando próximo à extinção devido à práticas de cruzamentos que anexaram genética e características de raças estrangeiras não aparentadas com o cão endêmico brasileiro”, só podem estar se referindo obviamente ao Fila registrado no CBKC-FCI miscigenado, atípico e heterogêneo e me parece que inacreditavelemtne se esqueceram do Fila PURO do CAFIB !!!

10. Neste link os defensores da tese do OFB afirmam ainda que a origem do FB estaria num tal desaparecido “… Alão ibérico (apesar deste cão ser totalmente desconhecido e sem nenhum registro tanto no Google quanto na Wikipédia !!!) e, consequentemente, dos cães do tipo molosso de Portugal e da Espanha…”. Entretanto, até onde vai meu conhecimento e, se estiver errado, pediria que me comprovassem o contrário, nunca existiu nenhum cão em Portugal que poderia ser designado como Molosso. Nem na Espanha, salvo o  (*) chamado Mastim Espanhol que não é cabeçudo e tem cabeça triangular. Vide em https://www.google.com/searchq=mastim+espanhol&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwin5eLcscPfAhUEI5AKHZBOApcQ_AUIDigB&biw=1455&bih=689. A partir desta frase postada neste link segue longa, bela, romantica, mas totalmente incomprovada e muita imaginativa série de suposições sem nenhuma comprovação histórica. Lembrando infelizmente a tese do Fila Terceirense e do Dogue de Forte Race….

 

  1. Neste link os defensores da tese do OFB comentam a “…estrutura extremamente funcional e não atarracada dos filas antigos (???), além do focinho proporcional de acordo com o padrão OFB”.  Entretanto, a foto abaixo a esquerda, que entendo ser exemplo de um cão OFB, com as características apregoadas logo acima neste item, para mim, lembra apenas um Dogue Alemão / Dinamarquês de má qualidade. E para voces ? Solicito compararem com as duas fotos no centro e a direira de um Puro Dogue Alemão / Dinamarquês.

1 - a - 7 - ofb tipo dogue + 2 dogues

  1. Neste link os defensores da tese do OFB afirmam ainda que estudaram “… as prováveis origens do Cão de Fila brasileiro sob a orientação de André Oliveira e Antônio Ferreira – portugueses, cinófilos e pesquisadores da Universidade de Coimbra de Portugal – que forneceram ricos materiais de estudos, muitos documentos históricos e fotos de antigos cães portugueses, entre eles o Alão português do final do século 19 e início do século 20”. Muito interessante… Mas o fato concreto constatado nesta afirmação — para os leitores mais atentos, com poder de crítica, análise e que não são analfabetos funcionais  — é que, sem duvida, em nenhum momento estes dois cinófilos portugueses absolutamente nada apresentaram que comprove o embarque e a chegada no Brasil de cães portugueses ou espanhóis !!!

Ou seja: a observação acima registrada pelos que creem no OFB é profundamente vaga e desprovida de substancia e comprovação pertinente. Isto é, exatamente como vez Procopio do Valle em seu artigo publicado na revista Animais & Veterinária nº 35, de Dez-78 onde afirmou totalmente desprovido de contato com a realidade no seu artigo intitulado Quatro Séculos Preservando o Cão de Fila (vide em www.filabrasileirochicopeltier.com.br/8-Documentos-de-1978/8_32/doc_1.jpg  no centro desta página e grifado por dois traço em vermelho: “300 cães ingleses (Engelsen doggen) serão para ai enviados…”. Ou seja, meu saudoso Procópio, como te perguntei ha 40 anos atras e não obtive resposta: Estes cães seriam de que raça e portadores de que fenótipo ? Como o texto acima mencionado afirma que serão enviados, isto é, em tempo verbal no futuro, pergunto se existe comprovação de que foram mesmo enviados ? E, ainda, para onde, já que ai geograficamente absolutamente nada significa ? !!! Notem que a tal carta mencionada pelo Procópio apesar de solicitada, jamais foi apresentada…

1 - a - 8 - texto procopio1 - a - 9 - texto procopio 2

Isto, sem mencioar que mesmo hoje, 369 anos depois, seria extremamente dificil agrupar e criar uma logistica para trasnportar com eficiência e sucesso 300 caes de qualquer raça da Holanda para o Brasil. Imagine então embarca-los em diversas caravelas que levariam no mínimo 3 meses para cruzar o Atlantico, isto se não se perdessem ou saissem de sua correta rota nos idos de 1650. Portanto a dificuldade real, jamais imaginada pelo Procópio, mesmo hoje seria enorme, ainda que se usasse um avião Jumbo a jato, que em apenas 11 horas varia o mesmo percurso… Só mesmo o Procópio seria capaz de imaginar tal novela !!! Se bem que o pessoal do OFB conseguiu me surpreendeu com sua tese vaga, imaginativa e desconectada da realidade…

Concluindo este item: tolos são todos aqueles que acreditam piamente em novas teses sem comprovação. Se os admiradores do OFB desejarem, invento mais umas 5 teses sobre a origem da formação do FB… Não basta imaginar, inventar, escrever e postar… tem que comprovar !!!

  1. Neste mesmo link os defensores da tese do OFB afirmam queFora da cinofilia oficial (como não existe cinofilia oficial, já que o Estado brasileiro, via Ministério da Agricultura, excluiu do seu controle todas as raças caninas há quase 10 anos atrás, (vide em http://www.filabrasileirochicopeltier.com.br/novos/30_79/materia.html , interpreto que na verdade os responsáveis pela redação deste link desejaram redigir cães que não possuam registros do CAFIB e do CBKC-FCI), muitos exemplares extremamente típicos e rústicos ainda são encontrados no anonimato…”. Sendo assim, como não acredito nesta possibilidade, já que o CAFIB percorreu o Brasil de Norte a Sul + Centro nos idos da década de 80, aguardo que estes puríssimos cães saiam do tal anonimato e sejam apresentados a toda comunidade fileira. Ficarei muito feliz em conhece-los.
  1. Afirmam ainda os defensores da tese do OFB que os exemplares no item acima mencionado encontram-se “…úteis em fazendas do interior, afastados de contatos com raças estrangeiras”. Com todo o respeito, pergunto: como os admiradores do OFB podem afirmar categoricamente este “afastamento”, isto é, a não existencia de miscigenação com outras raças e até com vira-latas nestas distantes fazendas ?

Por exemplo, os defensores do OFB consideram estes dois cachorros pretos nas fotos abaixo como sendo representates de cor negra do OFB. Mas ao mesmo tempo afirmaram em outro post (vide na Pergunta nº 448 em https://filabrasileirochicopeltierblog.wordpress.com/2018/11/06/post-590-perguntem-ao-tio-chico-no-178-sobre-o-tal-fila-original-o-fila-original-preto-e-duas-fotografias-de-um-cao-aparentemente-de-cor-negra-tirada-em-1990-isto-e-20-anos-apos-a-mest/  ) que estas fotos foram tiradas na decada de 90, ou seja, vinte anos após a mestiçagem !!! Pois, para mim, comento que os dois cachorros das duas fotos abaixo não passam de vira-latas de coloração preta, proveniente de cruzamentos ocorridos após a mestiçagem no FB !!!

1 - a - 9 a- dois cães pretos

  1. Afirmam ainda os defensores da tese do OFB que “…o modelo de cão procurado se espelha no padrão idealizado por Paulo Santos Cruz, Erwin Waldemar Rathsam e João Ebner em 1946”. Bem, sinto muito, mas no meu entender as duas fotos no item acima se asselham muito mais ao tipo de cahorro mestiço idealizado por Procópio do Valle, como, por exemplo, a foto abaixo do cachorro Tição de Kirimau, criação do próprio mineiro Procópio do Valle em seu Cail Kirimauá, situado em Juiz de Fora, MG:

1 - a - 12 - tição

Ou, por outra, o cão da foto logo abaixo, chamado Bronco do Caramonan (vide em https://filabrasileirochicopeltierblog.wordpress.com/2018/11/29/post-592-perguntem-ao-tio-chico-no-179-ativo-fileiro-marcelo-zuliani-questiona-sobre-o-tal-do-fila-original-data-28-11-2018/ ) que foi apresentado pelos admiradores do OFB em postagem anterior na web como sendo um fiel e caracteristico exemplar representante do OFB, mas que, com todo o respeito, para mim lembra muito mais um Chiuaua Gigante:

1 - a -13 - exemplo ofb

Alias, totalmente diferente dos admiradores do OFB, penso que o Fila PURO do CAFIB, após 40 anos de seleção e rigido controle genealógico é que se coaduna perfeitamente com os ideias do meu grande amigo Dr. Paulo Santos Cruz, não fosse ele o mais importante organizador do Cão de Fila Brasileiro enquanto raça e que a partir de 1978 consolidou todo o seu conhecimento no Padrão, Normas e no Jornal o Fila do CAFIB. Logo, como já escrevi diversas vezes, muitos são aqueles, de todos os clubes, tendências, ideias, cores e novas teses que tentam em vão usar, pegar carona e se apegar ao nome do nosso Dr. Paulo, Mestre de Criação do CAFIB e Pai da Raça Fila. Esqueçam: Dr. Paulo e todo seu conhecimento consolidou-se no CAFIB !!! Ponto final !!!

Vejam abaixo por que a esmagadora maioria dos fileiros, mesmo os filiados do BKC-FCI, preferem o Fila Puro do CAFIB:

1 - a -14 - filas do cafib

  1. Os defensores da tese do OFB afirmam que “…os filas padrão CAFIB apesar desta entidade conservar um tipo de fila funcional e muito mais saudável e útil que o fila CBKC, também estão se afastando aos poucos dos antigos filas encontrados no meio rural”. Entretanto os admiradores do OFB responsáveis pela redação deste texto se esqueceram de explicar como e por que se deu este “afastamento”. E, mais ainda, se esqueceram de explicar e de comprovar esta super vaga e superficial afirmação.
  2. Os defensores da nova tese do OFB afirmam ainda no link em questão que o cão “…Jumbo II se tornou referência de fila ideal em termos de estrutura a ser atingida por muitos criadores do clube CAFIB”; comentam o que denominaram se tratar de um tal “…evento das orelhas…”  e, ainda, que alertaram o CAFIB do que entenderam ser afastamento “…do tipo original.” Da minha parte, me cabe apenas comentar, que eu jamais escutei absolutamente nada a respeito destas três vagas  afirmações acima. Com a palavra a Diretoria, juízes e criadores do CAFIB e os redatores responsáveis pela criação deste link. No mais se estes “alertas” forams dados ha mais ou meos 30 anos atras, por que demoraram tantas decadas para reagir e criar o OFB ?
  3. Os defensores da nova tese do OFB informam que sua “…preferência tem sido em resgatar cães de genética isolada nas fazendas, porém há o uso de alguns poucos cães do padrão CAFIB no programa de cruzamentos daqueles filas que se enquadram ou se mostram suficientemente próximos das características consideradas desejadas no padrão OFB…”. E ainda, que “… quanto a cães do padrão CBKC, há remota possibilidade de ser usado algum animal, somente se o exemplar se enquadrar nas características físicas e de temperamento consideradas ideais não se divergindo do padrão dos filas antigos…”, pois defendem “…o resgate e manutenção de raças caninas com tipos denominados por ele ( o escritor Vladimir Beregovoy) como aborígenes, que por terem sido moldados mais (!!!???) naturalmente, quase sem intervenção humana”. 

    Sendo assim, apesar de não aprovar e até recriminar, entendo perfeitamente o uso de Filas PUROS do CAFIB na formação do novo tipo canino denominado OFB. Afinal, fileiros de todos os clubes fazem há anos uso dos tradicionais e originais Filas PUROS do CAFIB  para aprimorar seus planteis. Como todos nós sabemos, uns criadores o fazem de forma trasparente, enquanto muitos outros preferem fazer de forma escondida e até trocando o nome dos Filas CAFIB pelo nome de cães de seus canis. Ou seja, o clube que eventualmente congregará admiradores do OFB, repetirá apenas o que já foi feito anteriormente nas últimas décadas por dezenas de criadores do CBKC-FCI, da SPFB e da Unifila… E mais recentemente pela Anfibra que tentava copiar o sitema de seleção do  CAFIB consubstanciado em nossa AFT (vide no magistral artido de nosso atual Presidente, Américo Cardoso, em http://www.filabrasileirochicopeltier.com.br/fila_brasileiro-cachorro.html  ).

    Mas confesso que receio não ter conseguido entender o uso de cães do CBKC-FCI na formação do OFB, visto entender ser esta uma decisão que implica em total e grave incongruência, já que ninguém tem como comprovar a ascendência real de cães registrados nestes dois clubes. E muito menos, a não intervenção humana e a mestiçagem com cães de outras raças e até de vira-latas nos cães com pedigree do CBKC-FCI, recriminada pelos próprios admiradores do OFB, assim como naqueles cães que vivem “afastados” nas tais fazendas ainda não determinadas nem definidas, como é teoricamente defendido pelos admiradores do OFB.

    Penso que seja justamente por isto que me parece que os admiradores do OFB deixaram uma brecha para no futuro, no caso de nascerem cachorros de cor preta, os aceitarem em sua criação, já que são provenientes obviamente de “filas-pretos” registrados no CBKC-FCI há décadas, já que estes também são usados na formação do novo tipo canino denominado OFB.  Mas confesso que esta parte do texto me pareceu muito confusamente redigida, me deixando com muitas duvidas de interpretação, pois a redação tem muitas idas e vindas. Falta clareza e objetividade. Afinal, é muito simples: ou os admiradores do OFB aceitam ou não aceitam o por demais conhecidíssimo “fila-preto”.

    Finalizando:

    (i) Afinal o que voce prefere criar ?

    O Fila PURO do CAFIB… ?

    1 - a -14 - filas do cafib 

    Ou o novo tipo canino denominado OFB… ?

    1 - a -15 - vários ofb 

    (ii) quanto aos demais posicionamentos pontuados no link mencionado pelos defensores da tese do OFB penso que sejam irrelevantes, por isto não os comento;

    (iii) quanto as citações ao CAFIB, lembro a todos que não sou nem nunca fui porta-voz deste Clube que tanto admiro, tenho orgulho de pertencer, ser seu Conselheiro desde o início e muito ter contribuído para seu crescimento. Apesar disto, para quem não sabe, informo que em 2008 fui homenageado com o Título de Pai do CAFIB, que extremamente me honra. Por ter sido o primeiro criador em 1975-76 a denunciar sistemática e publicamente a mestiçagem e os mestiçadores do FB; por ter sido o primeiro criador a se rebelar publicamente contra então BKC + FCI e sua cumplicidade com a mestiçagem; por ter sido o responsável por trazer de volta ao FB o Dr. Paulo Santos Cruz em 1976 e a ser um dos que inspiraram a criação de um Grupo de criadores de Filas Puros sob a orientação do Dr. Paulo Santos Cruz.  Mas, na verdade, eu é que sou extrema e eternamente grato aos fundadores e primeiros criadores do CAFIB, como Airton Campbell, Américo Cardoso, Luiz Antonio Maciel, Luciano Gavião, Pedro Borotti e Roberto Maruyama, para citar apenas alguns, que na prática salvaram o FB da extinção. Assim, caso haja interesse, sugiro que os interessados questionem diretamente a Diretoria do CAFIB. O Tio Chico continua como sempre expondo suas ideias e pensamentos com argumentação clara, lógica e com muito conhecimento histórico, como sempre tem feito desde 1975-76. Mas sempre em defesa do Puro Cão de Fila Brasileiro e sempre atento as “novidades-nefastas”… E com total liberdade de expressão;

    (iv) sugiro que os defensores da tese do OFB não fiquem sujeitos à SOBRACI e assumam totalmente o controle de seu próprio Livro de Registro. Afinal um clube que pretende ser independente não pode ter seu Controle Genealógico na mão de terceiros, ainda mais se for apenas mais um Cartório de cães. Desde a sua primeira ninhada o CAFIB registrou seus próprios filhotes e emitiu seus próprios pedigrees, não reconhecendo jamais e até hoje como digno de Fé os pedigrees do CBKC-FCI, nem os ascendentes e descendentes neles anotados;

    (v) sinto muito que alguns mineiros ainda não aceitem o fato de que o FB, apesar de ter sua origem no Sul de Minas Gerais, foi organizado e se estabeleceu enquanto raça pura por meio de criadores paulistas, notadamente o Dr. Paulo Santos Cruz e, mais tarde, foi resgatado da extinção pelos fundadores e criadores principalmente paulista do CAFIB. Mas lembro que o FB não é nem mineiro nem paulista, mas sim brasileiro. Como carioca, sou totalmente desprovido deste tipo de bairrismo tolo e improdutivo;

    (vi) penso que muitos criadores gostariam, mas como não conseguem possuir e criar o Fila PURO do CAFIB, nem desejam se sujeitar as Normas e Regras de um clube rigoroso como o CAFIB, passam então a inventar teses e tipos semelhantes ou extremamente semelhantes e até com nomes quase iguais ao do tradicional e original FB, para terem a liberdade de criarem do seu próprio jeito e terem uma maneira de valorizar os tipos caninos, eventualmente até atípicos, existentes dentro de seus próprios canis, seja lá quais forem. Aliás, muitos fileiros ainda têm medo, aliás, verdadeiro pavor de submeter seus exemplares às AFT do CAFIB… Ai, fogem batidos… Uma pena, pois ninguém deveria se considerar acima do FB…;

    (vii) Estou pronto a continuar esta conversa de forma amigável, transparente e sincera com qualquer pessoa, simpatizante do OFB ou não, desde que com educação, respeito e argumentação sólida. Isto é, longe da falta de conhecimento primário sobre o FB, das baixarias e ofensas pessoais, infelizmente muito comuns no FB, principalmente nos Facebooks.

    Importante: Tio Chico tem uma norma, baseada em muitas experiências passadas em conversas com criadores… — só respondo novas perguntas ou colocações se meu interlocutor tiver respondido primeiro as que fiz anteriormente para ele ou nos meus artigos. Caso contrário, o diálogo não flui, não tem fim e nada se conclui de produtivo. Esta é uma norma que me auto impus e da qual não abro mão… rsrsrs…

    (viii) Basta de mais uma realização pessoal !!! Basta de pessoas egoístas, egocentrados e individualista. O Fila Brasileiro é muito mais importante que os seus criadores !!! Vamos respeita-lo, sua História e sua pureza racial. Chega de tanta invencionice !!!

    Espero que os defensores da tese do OFB tenham percebido que, como sempre, comentei o link em questão com educação e argumentos, respeitando a diversidade de opiniões. Não entendo que devemos ser inimigos no trato de assuntos ligados ao FB por pensarmos de forma diversa, mas sim apenas adversários em ideias.

    Afinal, cada um cria e possui o cachorro que bem entender. Seja ele um Verdadeiro Fila Brasileiro PURO do CAFIB, de qualquer outra raça ou até mesmo o nosso querido vira-lata.

    Abraço a todos e feliz 2019, inclusive para os defensores da tese do OFB.

    Chico Peltier.

Anúncios