Post nº 79 – Sobre o Temperamento do Fila Brasileiro III – Revista Cães & Cia. nº 405 — “Fila Brasileiro: O Guarda do Quartel” – Enviado em 16-03-13

                                                        Tio Chico Informa nº 30                          

                                  Sobre o Temperamento do Fila Brasileiro III

                  Revista Cães & Cia. nº 405 — “Fila Brasileiro – O Guarda do Quartel”

Amigos e amigas,

Para o conhecimento de voces segue abaixo o excelente artigo publicado na Revista Cães & Cia. nº 405 que foi capaz de mostrar de forma simples e clara aos seus leitores o verdadeiro caráter e temperamento do nosso Fila Brasileiro.

Cães & Cia. nº 405  - 3

Nota: como sempre fiz com todos os emails que enviei no passado, este email  também foi encaminhado primeiramente para os responsáveis da FCI e CBKC.

Obrigado a todos, Chico Peltier.

Anúncios

Post nº 78 – Tio Chico Informa nº 29 – Sobre o Temperamento do Fila Brasileiro II – O Padrão do Fila traduzido pela FCI-Belga versus o Padrão do Fila-CBKC – Enviado em 14-03-13

Tio Chico Informa nº 29

Sobre o Temperamento do Fila Brasileiro II – O Padrão do Fila traduzido pela FCI-Belga versus o Padrão do Fila-CBKC

Nota: visto que FCI-Belga e CBKC são muito mencionados neste artigo, este email foi encaminhado em inglês primeiramente para estes dois clubes.

Amigos e amigas,

Este meu segundo artigo sobre o Temperamento do Fila procura complementar o meu post nº 32 — Tio Chico Informa nº 15 — que se encontra no meu blog no link https://filabrasileirochicopeltierblog.wordpress.com/2012/08/21/post-no-32-tio-chico-informa-no-15-enviado-em-200812/. Neste artigo defendi a tese de que muitos cães com pedigree de Fila Brasileiro não têm o temperamento típico e característico da Raça Fila, pois muitos destes cães ainda sofrem da miscigenação com cães de outras Raças, notadamente o Mastiff Inglês, Mastin Napolitano e Great Dane (Dinamarquês). Como todos nós sabemos, estas três Raças, que foram as mais utilizadas na miscigenação com o Fila, tem um temperamento e comportamento bem mais dócil do que o Fila e aceitam estranhos. Logo, defendo a tese de que não se pode esperar de todos os cães com pedigree de Fila que sofrem desta miscigenação, que possuam a característica típica do Fila, no que diz respeito principalmente a “ojeriza” a estranhos, a qual desejo abordar com mais ênfase neste artigo.

Sendo assim, defendo que a “ojeriza”, esta característica típica e nata da Raça Fila, também seja preservada e devidamente cuidada na criação do Fila-CBKC, preconizando a volta dos TT`s em todas as suas exposições. Aliás, como praticamos com sucesso nos últimos CAFIB 35 anos.

Muito se comenta sobre o Temperamento típico, único, nato, tradicional e espontâneo de “ojeriza” que se observa nos cães de Fila Puros com relação aos estranhos. Penso que seja a única Raça canina no mundo que não precisa e não deve ser adestrada e treinada, salvo para conceitos básicos de comportamento educacional, mas não para ataque ou os chamados TT`s.

Sendo assim, resolvi pesquisar o que determina os Padrões empregados pelo CAFIB, pelo então BKC, pelo CBKC e nas traduções usadas pela FCI-Belga para analisar e avaliar o Temperamento da Raça Fila para com estranhos:

1. O Padrão do Fila segundo o CAFIB determina desde 1978:

“Dotado de coragem, determinação e valentia notáveis. Não oculta sua ojeriza a estranhos, nem sua tradicional meiguice, obediência e fidelidade aos donos e seus familiares. Consequentemente é, nas cidades, inexcedível guarda de propriedades… Como resultado de seu temperamento, nas exposições não permite ser tocado pelo juiz (um estranho) e, se o atacar, não deve tal reação ser considerada falta, mas apenas confirmação de seu temperamento. Nas provas de temperamento, obrigatórias nas exposições, após doze meses de idade, seu ataque deve ser em diagonal ascendente, à frente do apresentador, e sem deste revelar dependência”.

Conclusão: define de forma clara o comportamento do Fila para com estranhos, que é de “ojeriza”. Menciona “guarda de propriedades” e, ainda, que “nas exposições não permite ser tocado pelo juiz”. Alem disto menciona a obrigatoriedade de “provas de temperamento”.

2. O Padrão do Fila segundo o então BKC determinava na sua primeira versão:

“De notável valentia e coragem; caracteriza-se pela ojeriza a estranhos, sendo, no entanto, de tradicional fidelidade ao dono e familiares,… Como resultado do seu temperamento, muitas vezes o Fila ataca o juiz e, via de regra, não permite que este o toque. Tal atitude apenas confirma suas características de temperamento, não devendo ser considerada como falta”.

Conclusão: define de forma clara “ojeriza a estranhos” e, ainda, permite que o Fila ataque o juiz.

3. O Padrão do Fila segundo o CBKC-FCI nº 255 datado de 10/03/2.004 em vigor determina:

3.1. Na versão em português:

“Caracteriza-se pela aversão a estranhos… É fiel à guarda da propriedade…”.

Conclusão: foi substituída a forte, firme e indiscutível característica de “ojeriza” por “aversão”. Cabe ressaltar que em alguns dicionários “aversão” é apresentada como sinônimo de “ojeriza”, apesar da conotação bem mais suave que encontramos na palavra “aversão”.

3.2. Na versão em inglês (02/04/2004):

“One of its characteristics is its aloofness towards strangers (indiferençaa estranhos)An unsurpassed guardian of properties…”.

Conclusão: curiosa e estranhamente a típica e famosa “aversão a estranhos” do Padrão original, característica nata e tradicionalmente encontrada na Raça Fila, foi traduzida neste Padrão da FCI em inglês para uma suave e dócil indiferença a estranhos”…

3.3. Na versão em espanhol (15/06/2004):

“Una de sus características es ser desconfiado con los extraños… Es un extraordinario guardían de las propiedades,…”

Conclusão: curiosa e estranhamente a típica e famosa “aversão a estranhos” do Padrão original, característica nata e tradicionalmente encontrada na Raça Fila, foi traduzida neste Padrão da FCI em espanhol para uma suave e dócil desconfiado com estranhos”…

 

                                          Bem, meus amigos, eu realmente não sei o que teria levado uma pessoa renomada e com altos conhecimentos de cinofilia como Raymond Triquet, também conhecida como o Pai da Raça Dogue de Bordeaux, um dos melhores tradutores da FCI, a cometer um falha tão grave. Afinal, como seria possível alguém traduzir a palavra “aversão” por “indiferença”? Digo mais: se eu fosse criador do Fila-CBKC, sócio da SPFB e, mais ainda, dirigente da SPFB eu questionaria imediatamente o CBKC. E se o CBKC não me respondesse, o que é muito provável, questionaria diretamente a própria FCI-Belga sobre este incrível equívoco de tradução. Ou, alternativamente, caso haja, que a SPFB ou seus dirigentes postem no site da SPFB a explicação para esta curiosa tradução.

Consultando alguns amigos europeus, recebi uma explicação lógica, mas que não sei se é a verdadeira para esta, digamos, “adaptação no Padrão original do Fila para as necessidades europeias”. Ou seja, com o advento da opção da FCI-Belga pela socialização dos cães que possuem um temperamento mais forte, principalmente visando sua apresentação em shows e exposições, principalmente na Europa Ocidental, base desta FCI-Belga, o Padrão do “Fila-europeu” sofreu infelizmente uma, digamos, adaptação. Ou, ainda: sofreu o famoso jeitinho europeu ou, melhor dizendo, sofreu o “jeitinho belga”… (rsrsrs). Traduzindo “aversão” por simplesmente “indiferença e desconfiança” a FCI-Belga transformou em extremamente dócil o temperamento da Raça Fila aos seus interesses e necessidades para a participação de Filas em shows e exposições. Se esta explicação for procedente, a FCI-Belga não se importou em quebrar, pelo menos no Padrão, o temperamento típico e único de uma Raça Canina estrangeira.

Se esta, digamos, “adaptação”, foi feita seguindo os regulamentos da FCI-Belga e do CBKC e, ainda, com o conhecimento e concentimento do CBKC, não sei. Certamente meu blog esta a disposição de eventuais esclarecimentos que podem ser prestados por Hans Muller, presidente da FCI-Belga e por Sergio de Castro, presidente do CBKC, assim como por Ricardo Simões, Presidente do Conselho de Árbitros do CBKC, bem como pelo famoso criador e tradutor da FCI-Belga Raymond Triquet. Entretanto, custo a crer que um clube cinófilo estrangeiro como a FCI-Belga ou mesmo o CBKC, ambos sem nenhum vínculo com o Governo Brasileiro, nem mesmo com o Ministério da Agricultura do Brasil, tenham algum poder para modificar as características naturais e típicas de um animal brasileiro.

Ou seja, eu desejaria que alguém me explicasse por meio de que instrumento legal e por que motivos válidos e plausíveis o temperamento único do Cão de Fila Brasileiro, que foi tão bem definido pelo Mestre de Criação do CAFIB e Pai da Raça Fila, Dr. Paulo Santos Cruz, com a simples escolha da palavra — “ojeriza” – modificado mais tarde pelo CBKC para “aversão”, poderia ter sido tão modificado, ou melhor, de fato suprimido, no atual Padrão do Fila segundo a FCI-Belga em suas versões em inglês e espanhol, já que “indiferença e desconfiançaabsolutamente nada têm a ver comaversão”.

Ou seja, a principal pergunta que faço para voces é: pode um simples clube não oficial como o CBKC, que não representa o Estado Brasileiro, que até por duas vezes perdeu suas prerrogativas junto ao Ministério de Agricultura do Brasil (vide em http://www.filabrasileirochicopeltier.com.br/novos/30_79/materia.html  ) e um clube internacional como a FCI-Belga, que também não é oficial, nem tampouco exclusivo, visto que existem pelo menos mais três clubes mundiais que registram cães de forma independente (The Kennel na Inglaterra, AKC no USA e outro clube também chamado de FCI, mas que é baseado na Espanha), modificar o temperamento nato de uma Raça canina brasileira?

Mas, por favor meus amigos, com o intuito de fazer voces refletirem sobre este assunto tão importante que diz respeito a uma característica única encontrada na Raça Fila, eu desejaria fazer ainda mais algumas perguntas para voces e, principalmente, para o CBKC e a FCI-Belga:

1. Voces acreditam que este equívoco trata-se apenas de um grave erro de tradução, o qual deve ser imediatamente corrigido?

2. Voces acham que um clube estrangeiro como a FCI-Belga teria o poder de alterar uma característica tão típica, marcante, única, natural e tradicional de uma Raça animal natural de outro país como é o caso do Fila Brasileiro?

3. Será que o CBKC compactuou com esta tradução equivocada ou nunca notou estas modificações, adaptações ou erro grave de tradução?

4. O CBKC, não sendo um órgão reconhecido e conveniado com o Governo Brasileiro e sem poderes para representar a Raça Fila, teria autoridade para modificar ou avalizar a alteração feita pela FCI-Belga na tradução do Padrão do Fila Brasileiro?

5. Os criadores e os clubes brasileiros de Fila filiados ao CBKC, como a SPFB, foram consultados sobre esta adaptação e/ou alteração no Padrão do Fila ?

6. Qual o pensamento dos antigos e novos dirigentes da SPFB sobre esta tradução, modificação e adaptação ?

7. A SPFB foi consultada pelo CBKC em 2.004 sobre estas mudanças no Padrão do Fila feitas pela FCI-Belga?

8. Voces preferem o Temperamento tradicional do Fila ou sua atual adaptação e modificação às necessidades europeias?

9. Um Fila sem a tradicional “ojeriza” ou até mesmo, “aversão”, pode ser considerado um Puro exemplar da Raça Fila Brasileiro ou não?

10. O que vale mais: o Padrão original no idioma do país de origem de uma Raça canina ou suas traduções para outros idiomas, mesmo que com tradução equivocada e com grave erro?

11. Se os Padrões tem traduções diferentes, qual o Padrão que vale? O Padrão elaborado pelo país natural da Raça em questão ou a tradução nos idiomas oficiais da FCI-Belga?

12. A docilidade empregada na tradução que, equivocada ou intencionalmente, atenua e reprime o temperamento típico do Fila Brasileiro beneficia os Filas de temperamento Puro ou os “filas-mestiços” de temperamento dócil, semelhante aos das três Raças utilizadas na mestiçagem e acima mencionadas?

Gostaria muito que voces me ajudassem a responder as perguntas acima. Mas, por favor, deixando de lado a paixão dos criadores e as conotações clubísticas. O Temperamento do Fila Puro é um assunto muito importante para todos os Filas, criadores, clubes, dirigentes e juízes. A minha proposta e objetivo com este artigo é tentar entender o que levou a FCI-Belga a modificar completamente o temperamento típico e nato do Cão de Fila Brasileiro. E descobrir se o CBKC participou desta modificação ou dela até agora desconhece.

Certamente eu conheço o que pensam todos os membros do CAFIB sobre o temperamento do Fila, principalmente com relação aos estranhos, que é o simples sentimento espontâneo de “ojeriza”, até porque os cafibeanos seguem o Padrão CAFIB. Mas, realmente, não sei o que pensam sobre este assunto a maioria dos criadores do Fila-CBKC, bem como seus dirigentes. Não nos esquecendo dos criadores do Fila-CBKC da Europa. Gostaria muito de conhecer este pensamento.

Mas certamente devo terminar este artigo com uma magistral colocação e pergunta do fundador, criador, juiz e ex-presidente do CAFIB, Airton Campbell:

— “Cão de Fila que tem apenas “indiferençae desconfiança” e não a tradicional “ojeriza” ou “aversão” a estranhos, certamente não tem o característico temperamento da Raça Fila, mas sim, o temperamento de um gato. Isto mesmo: os gatos é que são tradicionalmente indiferentes e desconfiados para com estranhos… Será que os criadores do Fila-CBKC vão aceitar e seguir este Padrão equivocado?”.

Como acredito que esta modificação consciente ou grave erro de tradução, surpreendente vindo de um tradutor sério e renomado como Raymond Triquet é um fato muito grave, espero que os criadores do Fila-CBKC, a SPFB e, principalmente, o CBKC e a FCI-Belga não se omitirão e certamente nos ajudarão a esclarecer este assunto com tantas dúvidas pendentes.

Nota: como sempre fiz com todos os emails que enviei no passado, este email também foi encaminhado primeiramente para os responsáveis pela FCI e pelo CBKC.

Esperando que minhas dúvidas sejam esclarecidas, desejo a todos um bom dia. Chico Peltier.

 

Post nº 77 – Uncle Chico Newsletter # 29 – About the Temperament of Fila Brasileiro II + The Fila Standard translated by FCI of Belgium versus Fila-CBKC Standard – sent Mar, 14th- 2.013

Uncle Chico Newsletter # 29

About the Temperament of Fila Brasileiro II + The Fila Standard translated by FCI of Belgium versus Fila-CBKC Standard

Note: Since FCI of Belgium and CBKC are much discussed in this article, this email was sent in English primarily for these two clubs.

 

Dear Friends,

This is my second article on the Fila’s temper and seeks to complement my post # 32 — Uncle Chico Informs # 15 — which is on my blog at https://filabrasileirochicopeltierblog.wordpress.com/2012/08/21/post-no-32-tio-chico-informa-no-15-enviado-em-200812/. In this article I defended the thesis that many dogs with Fila Brasileiro pedigree do not have the typical and characteristic temperament of the Fila Breed, since many of these dogs still suffer from miscegenation with dogs of other breeds, notably the English Mastiff, Neapolitan Mastiff and Great Dane. As we all know, these three Breeds, which were the most used breeds in miscegenation with Fila, have a docile temperament and their behavior is a lot gentler than the Fila’s and accept strangers. Therefore, I defend the thesis that one cannot expect that all Fila pedigree dogs suffering from this miscegenation, have the typical characteristics of Fila, especially with regard to “ojeriza” to strangers, which I wish to address with more emphasis in this article.

Thus, I argue that the “ojeriza“, this characteristic that is typical and innate of the Fila breed, is also preserved and duly maintained in the breeding of Fila-CBKC, advocating the return of the TT `s in all their exhibitions. Moreover, as practiced successfully in CAFIB for the last 35 years.

A lot has been said about the typical, unique, innate, traditional and spontaneous Temperament of “ojeriza” that is noted in Pure Fila dogs with regard to strangers. I think that is the only Breed in the world that does not need and should not be trained and taught, except for educational concepts of behavior, but not for attack or the so-called TT`s.

So, I decided to investigate what determines the Standards employed by CAFIB, by the then BKC, by the CBKC and used in its translations by the FCI of Belgium to analyze and evaluate the Fila Temperament with regard to strangers:

1. The Standard Fila according to CAFIB has determined since 1978:

“Equipped with courage, determination and remarkable bravery. They do not hide their “ojeriza to strangers or their traditional gentleness, obedience and loyalty to their owners and their families. Consequently they are, in the cities, sovereign in guarding properties… As a result of their temperament, at exhibitions, they do not allow being touched by the judge (a stranger), and if they are attacked, such a reaction should not be considered a fault, but only a confirmation of their temperament. In temperament tests, compulsory at exhibitions, after twelve months of age, their attack must be diagonally ascending, ahead the presenter, and in his absence and without revealing this dependence.”

Conclusion: It clearly defines the Fila’s behavior toward strangers, which is of “ojeriza“. It mentions “protection of property” and further that “at the exhibitions they do not allow being touched by the judge.” Besides, it mentions the mandatory “temperament tests“. (I.e.: TT).

2. The Fila’s Standard according to the then BKC determined their first version:

“Of a remarkable bravery and courage, they are characterized by “ojeriza to strangers, being, however, of traditional loyalty to their master and family members… As a result of their temperament often the Fila breed attacks the judge and, as a rule, does not allow being touched. Such an attitude only confirms their temperament characteristics and should not be considered as a fault.”

Conclusion: It clearly defines “ojeriza to strangers” and also allows the Fila to attack the judge.

3. Fila’s Standard according to CBKC-FCI No. 255 dated 03/10/2004 into force determines:

3.1. In the Portuguese version:

“It is characterized by aversion to strangers… And  true to property guarding… “.

Conclusion: It was replaced the strong, firm and undisputed characteristic of “ojeriza” for “version”. It should be noted that in some dictionaries “aversion” is presented as a synonym for “ojeriza” despite a much softer connotation that we find in the word “aversion“.

3.2. In the English version (04/02/2004):

“One of its characteristics is its aloofnesstowards strangers … An unsurpassed guardian of properties …”.

Conclusion: curious and strangely the typical and famous “aversion to strangers” of the original CBKC Standard, innate characteristic and traditionally found in the Fila Breed, it was translated into this FCI Standard in English for a gentle and docile indifference to strangers”…

3.3. In the Spanish version (06/15/2004):

“Una de sus características es ser desconfiado con los extrañosEs un extraordinario guardían de las propiedades…”

Conclusion: curious and strangely the typical and famous “aversion to strangers” of the original CBKC Standard, innate characteristic and traditionally found in the Fila Breed, was translated into this FCI Standard in Spanish for a gentle and docile “mistrustful with strangers”…

 

Well, my friends, I really do not know what would have caused a renowned and highly knowledgeable person of dog-breeding  person, such as Raymond Triquet, also known as the Father of the Dogue de Bordeaux, one of the best translators of the FCI, to commit such a serious mistake. After all, how could anyone translate the word “aversion” for “indifference“? I will tell you more: If I was a member of the Fila-CBKC, a member of SPFB and furthermore, a leader of SPFB, I would question CBKC immediately. And if CBKC did not answer me, which is very probable, it would question FCI- Belgian directly on this amazing translation misconception. Or alternatively, if any, SPFB and/or its leaders would post the explanation for this curious translation on the SPFB site.

Querying some European friends, I got a logical explanation, but I do not know if this is true for this, let’s say, “adaptation of the original Standard of the Fila  for European needs“. I. e., with the advent of the FCI of Belgium by socializing the dogs that have a stronger temperament, mainly aiming at their presentation at shows and exhibitions, mainly in Western Europe, base of this FCI of Belgium, the Standard of the “European-Filaunfortunately suffered, say, an adaptation. Or, further: suffered the famous European knack or rather, suffered the “Belgian knack “… (LOL). Translating “aversion” simply for “indifference and mistrustFCI of Belgium turned into extremely docile the temperament of the Fila Breed to their interests and needs for Fila’s participation in shows and exhibitions. If this explanation is valid, the FCI of Belgium did not bother to break, at least in the Standard, the typical and unique temperament of a foreign Dog Breed.

If this, say, “adaptation“, was made according to the regulations of the FCI of Belgium and the CBKC and also with the knowledge and consent of the CBKC, I do not know. Certainly my blog is at the disposal for any clarification that can be provided by Hans Muller, president of FCI of Belgium and by Sergio de Castro, president of CBKC, as well as by Ricardo Simões, President of the Board of Referees of CBKC as well as the famous breeder and FCI of Belgium translator Raymond Triquet. However, it is hard for me to believe that a foreign dog-breeding club, such as FCI of Belgium or even CBKC, both without any connection with the Brazilian Government, or even with the Brazilian Ministry of Agriculture (which rule and control animals in Brazil), have any power to change the natural and typical characteristics of a Brazilian animal.

That is, I wish someone would explain to me what legal instrument and for what valid and plausible reasons the unique temperament of the Fila Brasileiro, which was so well-defined by the CAFIB Master Breeding and Father of the Fila Brasileiro, Dr. Paulo Santos Cruz, with the simple choice of the word – “ojeriza” – later changed by CBKC to “aversion”, could have been so modified, or better, actually suppressed, in the present Standard of the Fila, according to FCI of Belgium in their versions in English and Spanish, since “indifference and mistrusthave absolutely nothing to do with “aversion”.

That is, the main question that I ask from you guys is: can a simple unofficial club such as CBKC, which does not represent the Brazilian State, which twice lost its prerogatives with the Ministry of Agriculture of Brazil (see in http://www.filabrasileirochicopeltier.com.br/novos/30_79/materia.html) and an international club such as FCI of Belgium, which is not official either, much less exclusive, since there are at least three more world clubs that register dogs independently (The Kennel in England, AKC in the USA and another club named also FCI based in Spain), modify the innate temper of a Brazilian canine breed?

But please my friends, in order to make you guys think about this important issue that concerns a unique feature found in the Fila Breed, I also wish to ask you a few more questions and especially from CBKC and FCI of Belgium:

1. Do you believe this misconception is it just a serious translation error which must be corrected immediately?

2. Do you guys think a foreign club such as the FCI of Belgium would have the power to change such a typical, striking, unique, natural and traditional characteristic of a natural animal Breed from another country, such as the case of the Fila Brasileiro?

3. Could the CBKC have agreed with this wrong translation or never noticed these changes, adaptations or serious translation mistake?

4. Since CBKC is not a recognized body and does not have any agreement with the Brazilian Government and is powerless to represent the Fila Breed, would it have authority to modify or endorse the change made by FCI of Belgium in the translation of the Standard of the Fila Brasileiro?

5. Were Fila breeders and Brazilian clubs affiliated to CBKC, like SPFB, consulted on this adaptation and/or change in the standard of the Fila?

6. What is the thought of old and new leaders of SPFB about this translation, modification and adaptation?

7. Was SPFB consulted by CBKC in 2004 about these changes in the Fila Standard made by FCI of Belgium?

8. Do you prefer the traditional Temperament of the Fila or their current modification and adaptation to European needs?

9. Can a Fila without the traditional “ojeriza” or even “aversion” be considered a Pure example of the Fila Breed or not?

10. What is more valuable: the original Standard in the original language of the country of origin of a canine breed or their translations into other languages, even with mistranslation and serious mistake?

11. If the Standards have different translations, which is the correct Standard? The Standard produced by the natural country of the Breed in question or the translation in the official languages used by FCI of Belgium?

12. The docility used in the translation, misguided or intentionally, reduces and suppresses the typical temperament of the Fila Brasileiro benefits Filas of Pure temperament or the “ Filas-mestizos” of docile temperament, similar to those of the three Breeds used in the miscegenation and mentioned above?

I would greatly appreciate it if you guys could help me answer the above questions. But please, leave aside the breeding passion and the club connotations. The Pure Fila Temperament  is a very important issue for all Filas, breeders, clubs, leaders and judges. My proposal and aim with this article is to try to understand what led FCI of Belgium to completely modify the inborn and typical temperament of the Fila Brasileiro. And find out if CBKC was part of this modification or was unaware of it until now.

Certainly I know the thought of all members of CAFIB about Fila’s temperament, especially with regard to strangers, which is the simple spontaneous feelings of “ojeriza“, especially because the cafibeans follow the CAFIB Standard. But really, I do not know what most of the breeders of Fila-CBKC as well as their leaders think. Let us not forget the breeders of Fila-CBKC in Europe. I would really love to know the thought.

But certainly I must finish this article with a masterful placement and question of the founder, breeder, judge and former president of CAFIB, Airton Campbell:

— “Fila Brasileiro that has only “indifference and mistrustful” and not the traditional “ojeriza” or “aversion” to strangers, certainly does not have the temperament characteristic of the Fila, but, rather, the temperament of a cat. That’s right: cats are traditionally indifferent and mistrustful toward strangers… Will the breeders of Fila-CBKC accept and follow this wrong Standard? “.

Since I believe that this conscious change or serious translation error, surprisingly coming from a serious and renowned translator such as Raymond Triquet is a very grave fact, I hope that the breeders of Fila-CBKC, SPFB and especially the CBKC and FCI of Belgium will not omit themselves and will certainly help us a lot to clarify this issue with so many pending questions.

Note: as I have always done with all emails sent in the past, this email was also forwarded first to those in charge of FCI of Belgium and CBKC.

Hoping that my doubts are clarified, I wish everyone a good day.

Chico Peltier.